domingo, 7 de outubro de 2012

Chapter Ten - Transient Death + Divulgação

   Oi, oi gente! E aí, como estão? Eu vou bem, obrigada! Mas então, estão gostando da web? Quero que saibam que essa foi a melhor história que eu já escrevi, em minha opinião. Eu passei meses escrevendo ela e quando terminei não sabia se ficava feliz pelo fato de tê-la concluído ou triste por não poder escrever mais ela. Mas enfim, aqui está mais um capítulo. Espero que gostem.
Xoxo'

Divulgação:     tudoqueeumaisqueroevoce.blogspot.com


Chapter Ten - Transient Death

   Já eram três da tarde. Dianna já havia telefonado para Joe dizendo que estava quase chegando ao hospital.
     Neste momento Joe estava voltando ao quarto de Demi. Seus pais haviam o obrigado a ir à lanchonete do hospital, pois não havia tomado café da manhã e nem almoçado direito.
     Dianna acabara de chegar ao hospital. Avistou Joe de longe e correu em sua direção. Assim que o alcançou, não perdeu tempo e logo perguntou sobre Demi.
Dianna: Como ela está, Joe?
Joe: Ainda não acordou. Estou voltando agora para o quarto ver como ele está, se melhorou. Venha comigo.
Dianna: Claro.
     Foram caminhando para quarto rapidamente. Os dois nervosos. Dianna pelo fato de estar prestes a ver sua filha de um jeito que partirá seu coração, e Joe por ainda estar com a esperança de entrar no quarto e ver Demi acordada.
     O palpite que chegar mais perto foi o de Dianna, mas a realidade é muito pior.
     Não estava somente Demi no quarto. Haviam dois médicos e três enfermeiras também.
     Confusos, Dianna e Joe aproximaram-se querendo saber o que estava havendo, mas os médicos estavam tão concentrados que mal viram quando eles entraram.
Dianna: O que está acontecendo?
Enfermeira¹: Quem é você?
Dianna: Sou a mãe dela. O que estão fazendo com ela?
Doutor¹: Ela teve uma parada cardíaca. Estamos tentando reanimá-la. Vamos lá. 1... 2... 3... Já! _ falou e posicionou o aparelho que deu mais um choque em Demi, tentando reanimá-la _
Joe: Não, não, não... Não pode ser!
Enfermeira²: É melhor vocês se retirarem.
Dianna: Não vou sair!
Enfermeira²: Por favor, é melhor. Iremos contatá-los depois sobre tudo que ocorreu.
     Sem mais argumentos, eles saíram e foram para a recepção. Lá esperaram por quase meia hora. Até que, finalmente, uma das enfermeiras veio até eles.
Joe: Então, ela está bem?
Enfermeira²: Sinto muito. Tentamos de tudo, mas ela não resistiu.
Dianna: O que?! NÃO! _ começa a chorar desesperadamente _
Joe: Não pode ser... _ sussurrou para si mesmo enquanto começava a chorar _
Doutor: _ chegando _ Fizemos tudo o que podíamos. Desculpem-nos. Liberaremos o corpo ainda hoje para decidirem o que irão fazer. Mais uma vez, nos desculpem. _ saiu junto com a enfermeira _
     Dianna então abraçou Joe. Os dois estavam acabados por dentro. Lágrimas de tristeza rolavam pelo rosto de ambos.
     Denise, Paul, os meninos e as namoradas estavam voltando da lanchonete e avistaram Dianna e Joe chorando. Preocupados, todos correram ao encontro deles.
Denise: Dianna? Joe? O que aconteceu?
Joe: Mãe, a Demi... Ela... _ tentou falar, mas sua voz quase não saia, assim como a de Dianna _ Ela... Ela morreu. _ falou finalmente, voltando a chorar descontroladamente _
Todos: O QUE?
Paul: Joe, não brinque com isso.
Dianna: Ele... Ele não está brincando. _ falou um pouco mais calma, mas chorando ainda _ A mais ou menos meia hora fomos ao quarto dela para eu vê-la, mas quando chegamos havia médicos e enfermeiras lá. Então, disseram que ela estava tendo uma parada cardíaca. Agora pouco eles nos falaram que ela não resistiu, e que iriam liberar o corpo ainda hoje.
Denise: Ah meu Deus! Não! _ começou a chorar também _
Joe: É tudo culpa minha...
Paul: Não se culpe, Joe. A culpa não foi sua.
Joe: Como não? Ela estava indo embora, e estava indo por minha causa. Eu fui burro e acabei fazendo algo que não deveria ter feito, e isto estragou tudo. Ela tentou ir embora por minha causa. Então a culpa disso tudo é minha. _ sentou-se no banco da sala de espera e colocou a cabeça entre as mãos _
Kevin: _ sentou-se ao lado do irmão e colocou a mão em seu ombro _ Cara, se culpar não irá trazê-la de volta. Você terá de se conformar com isso. Todos estamos tristes, mas que tal seguirmos o conselho da própria Demi? Lembra? Stay Strong. Você tem que ficar forte. Faça isso em memória dela. De onde quer que ela estiver agora, ela ficará feliz em saber que não iremos sempre chorar ao lembrar dela. Temos que lembrar os momentos felizes que passamos com ela. Se você fizer isso, tenho certeza que ela ficará feliz vendo você lá de cima.
     Todos choravam. Tanto pelas palavras de Kevin e também pela horrível noticia que haviam acabado de receber.
Joe: Kevin, não é tão fácil. Eu a amo, não posso simplesmente fazer isso sabendo que quem se foi, foi a pessoa que eu amo.
Kevin: Nós todos amamos ela, cara. Ela era como nossa irmã.
Joe: Mas acontece que eu não a amo desse jeito. Eu a amo como a mulher com quem eu queria me casar, ter meus filhos...
Kevin: E precisou acontecer tudo isso para você admitir? É irmão, você é muito lerdo mesmo.
Doutor: Desculpe interromper, mas preciso que preencham uma ficha para poderem retirar o corpo da Srta. Lovato. Quem é o responsável?
Dianna: Sou eu.
     Dianna, então, foi até onde o médico estava e pegou a ficha que estava em suas mãos. Pegou uma caneta e sentou-se para preencher. Enquanto fazia, lembrou-se de vários momentos com a filha. Brincadeiras, festas do pijama e conversas.
     Lembrando-se da declaração de Joe de agora pouco, relembrou uma conversa recente que tivera com Demi. Alguns dias antes de viajar com a família Jonas.
Flashback on
     Estava sendo uma tarde ensolarada. Demi estava sentada no sofá da sala de sua casa pensando até que sua mãe chega e senta-se ao lado dela.
Dianna: O que está fazendo, filha?
Demi: Pensando...
Dianna: Posso saber no que? Espera! Esta eu mesma respondo. Estaria você pensando em um tal de Joseph Jonas?
Demi: Que? Puft... Claro que não, mãe. Da onde a senhora tirou essa ideia?
Dianna: Demi, não precisa mentir para mim.
Demi: Quem disse que estou mentindo?
Dianna: _ olhar sério _ E não está?
Demi: Eu... Ér... Estou. _ abaixou a cabeça, mas logo a levantou novamente _ A senhora acha isso errado?
Dianna: Claro que não, Demi. Não há nada de errado em pensar no homem que você ama.
Demi: Que eu amo?
Dianna: Claro que ama, Demi! Isto está escrito em seus olhos. Quanto tempo mais você irá negar?
Demi: Não estou negando, só estou com medo. Esse amor já foi motivo da minha tristeza um dia...
Dianna: Mas também foi motivo de sua felicidade. E você tem que ir atrás disso antes que seja tarde demais. Você ama o Joe! Não pode deixá-lo escapar!
Demi: _ sorriu _ Obrigada mãe!
Dianna: De nada, minha filha. Estarei sempre aqui quando precisar.
     Abraçaram-se e passaram o resto da tarde juntas conversando, vendo televisão, comendo bobagens e se divertindo.
Flashback off
     Após ter esta lembrança, Dianna termina de preencher a ficha e a entrega para o médico responsável. Um pouco mais longe está Nick que vê o sofrimento do irmão e decide tentar ajudar.
Nick: _ sentando-se ao outro lado do irmão _ Joe... Olha, me desculpa pelas coisas que eu disse ontem. Eu sabia que isso era um caso delicado, mas não tinha total certeza que ela não iria aguentar. Eu só estava tentando te ajudar... Eu... _ foi interrompido por um abraço de Joe _
Joe: Não precisa pedir desculpas, eu te entendo. _ falou e separou o abraço _ Agora, se não se importam, eu vou dar uma caminhada. Preciso de um tempo sozinho. _ levantou-se do banco do hospital _
Denise: Tudo bem filho. Mas não demore muito, okay? _ abraçou-o _
Joe: Okay... _ distanciou-se e logo saiu do hospital _
     O vento fresco batia em seu rosto. Vários pensamentos reinavam em sua mente, mas só era possível ver um rosto. O de Demi Lovato. Ele via uma Demi sorridente, uma Demi feliz.  Novamente seu coração se partiu sabendo ela nunca mais ficaria assim por sua causa.
     Ele continuou caminhando mais um pouco até que algumas meninas o viram e vieram correndo em sua direção. Fãs, ele tinha certeza.
     Elas chegaram até ele e pediram para dar autógrafos e tirar uma foto. Ele, educadamente, aceitou. Tentou dar um sorriso verdadeiro, mas não obteve muito sucesso. Por sorte, as meninas não notaram sua desanimação.
     Foi caminhando até o parque e assim que chegou, sentou-se debaixo de uma árvore, longe de todas as outras pessoas. Sentado, ficou pensando, refletindo, se culpando...
     Tudo que queria era que acontecesse um milagre. Se Demi, de alguma forma, voltasse, não perderia um minuto para dizer que a amava e a queria de volta. Mas era impossível.
     Mais ou menos uns vinte minutos depois ele voltou ao hospital. Todos estavam do mesmo jeito. Chorando em silencio.
Joe: Já vão levar ela? _ perguntou a seus pais e a Dianna _
Paul: Daqui a pouco.
Joe: Posso vê-la antes?
Denise: Não sei se será bom pra você, filho...
Joe: Por favor...
Dianna: Pode ir, sim. Eu sei que Demi iria querer que você fosse.
Joe: Obrigada.
Nick: Posso ir antes de você, Joe? Eu também preciso vê-la. _ falou e aproximando-se _
Joe: Claro. Vai lá. _ abraçou o irmão que assentiu e foi em direção a sala em que deixaram Demi _
     Ao entrar, Nick quase perdeu a coragem, mas depois de alguns segundos respirando fundo, ele avançou.
     Viu Demi deitada, pálida e imóvel. Queria poder reverter isso. Ela era como sua irmã, não queria que ela se fosse. Mas algumas coisas são irreversíveis.
     Ficou vários minutos pensando nos momentos felizes que teve com sua “irmã” e pensando também no que tinha feito nessa viagem.
     Talvez, se não tivessem feito o jantar, ela e Joe não brigariam e ela não iria tentar ir embora. Eles não teriam brigado se aquele jantar nunca tivesse sido planejado.
     Sem aguentar mais, saiu da sala. Não aguentaria ver nem mais um segundo Demi naquele estado. Foi caminhando de volta para a recepção e dirigiu-se a Joe.
Nick: Vai lá, cara.
Joe: _ assentiu e seguiu para a mesma sala _
     Seu coração já havia se quebrado várias vezes, mas não tão forte quanto hoje. E desta vez não havia como consertá-lo. Os cacos já estavam gastos demais para serem juntados novamente. E se esse coração não tivesse mais cura?


5 comentários:

  1. nããããããããããããoooooooooooooooooooooooooooo
    POR QUE?
    ELA NÃO MORREU NÉ?
    DIZ QUE É MENTIRA PF
    Posta logo pelamor de Deus
    Posta logo

    Xoxo, Nathy

    ResponderExcluir
  2. Aaai porque vc matou a demi ?
    Por favor faca ela sobreviver nao estou aguentando ver ela morrer e o josé sofrer !!
    Muito cruel e triste de mais
    Mais tambem é a realidade .
    Posta logo
    Beijonas

    ResponderExcluir
  3. amei
    mas a dems n pode morrer pq acaba com a historia
    pf n mata minha princess
    posta logo

    ResponderExcluir
  4. não crrio que a demis morreu :( eu to aqui chorando lsá mô tristiiinnha , posta logo amor , preciso saber , vc tem qyue resucitala KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    please viva dems :(( ,

    ResponderExcluir