domingo, 18 de agosto de 2013

Shadows - Capítulo 11

Gente, eu cometi um erro. Esse sim é o capítulo 11. Por favor, leiam ele e depois releiam o 12, dae vão entender melhor, hehe. Gomen pelo erro ^^

-Anda logo, Demi!- Grita Joe da porta.
         -Deixa ela em paz, Joe!- Grita Jessy para ele.
         Mas ela não parece muito satisfeita também, ela está com um short curto em cima de uma meia-calça de lã, um casaco liso, um cachecol bege extremamente longo e uma pequena bota, não sei como ela não está congelando.
         Ela e Joe estão encostados na porta de entrada, os dois com suas bagagens no chão e de braços cruzados, eles são muito parecidos, fico me perguntado qual o grau de proximidade deles, mas logo tiro esse ciúme ridículo da cabeça.
         Joe veste um casaco longo sobre as mesmas roupas de sempre, quando chego perto ele revira os olhos e vai em direção ao carro preto com janelas escuras que nos espera.
         Eu carrego apenas uma mala média, não levo muita coisa, só o básico, roupas, o estojo que Jessy me deu e um livro de Hannibal.
         Passo por Jessy e vou indo em direção ao carro, mas no meio do caminho, alguém grita meu nome.
         -Me espera!!- Grita Lindsey.
         Ela carrega uma enorme mochila e seu violino na caixa, correndo em minha direção, mas é parada por Jessy na porta.
         -Aonde você pensa que vai, Stirling?- Pergunta Jessy de forma intimidadora.
         -Na missão com vocês, Scram.- Responde ela sem se importar com a cara feia de Jessy (Os sobrenomes delas são estranhos...).
         -Você não foi escalada para essa missão!
         -Mas eu fiz parte do treino de Demi.- Responde Lindsey com confiança- Vou junto para acompanhar o resultado.
         Jessy bufou e foi se arrastando até o carro, Lindsey dá uma piscada para mim e eu sussurro um agradecimento, não consigo me imaginar sozinha com Joe e Jessy.
         Joe dirigia com calma pelas estradas,com Jessy de carona, Lindsey e eu no banco de trás, uma hora depois chegamos a New York, fecho os olhos e não olho para as pessoas mendigando nas ruas ou as famílias sorridentes indo para o parque, só abro os olhos quando Lindsey toca meu ombro avisando que chegamos.
         Descemos do carro em um aeroporto, as pessoas circulam feito loucas, correndo de um lado para o outro, sou jogada no chão por uma senhora obesa que corria para abraçar os netos que esperavam ela chegar de viagem.
         Joe nos conduz até um balcão, onde entrega documentos falsos, o homem do outro lado do balcão carimba os passaportes e entrega as passagens e os documentos a Joe, sem nem perguntar para onde íamos.
         Era um jatinho particular, razoavelmente grande, com quatro confortáveis poltronas viradas umas para outras em dois lados de uma mesa, algumas outra poltronas em lados opostos do avião como normalmente é, alguns armário e um banheiro.
         Lindsey vai chegar o conteúdo dos armários, Joe se joga no sofá esparramado e fecha os olhos, e Jessy se joga ao lado de Joe, deita sua cabeça em seu peito e abraçando sua cintura, ele a olha surpreso, mas retribui seu abraço e descansando sua cabeça na dela.
         Essa imagem me perturba um pouco, não entendo o motivo, já que eu jurei a mim mesma que iria odiar Joe, faço o possível para ignorar os dois, me sento na mesa, Lindsey aparece para afasta meu mal-humor, jogando diversas mini-caixas de diferentes tipos de cereais, junto com tigelas enormes e colheres.
         Em quanto experimentamos um cereal de chocolate e aveia, Lindsey se senta do outro lado da mesa com um violino preto e liso, ela começa a tocar uma melodia inconfundível.
         -Missão Impossível?- Digo com a boca cheia de cereal.
         Ela assente e começamos a rir como loucas, um pouco alto de mais, mas não deu para segurar, eu estava tão tensa...
         Depois de um tempo, Jessy e Joe se juntam à nós, eles dividem uma caixinha de cereal com pedaços de pêssegos ressecados.
         Jessy ergue a mão e fica olhando para ela, então do nada, pequenos raios de eletricidade começam a passar entre seus dedos, ela não pareceu sentir nada, apenas parece entediada.
         Joe percebe minha surpresa e dá um risinho:
         -Impressionada, Demi?
         -Alguns vampiros conseguem desenvolver habilidades anormais.- Diz Jessy ainda olhando para a mão- Eu levei anos para conseguir isso, não fique chateada se NUNCA conseguir algo assim.
         Lindsey dá um pequeno gemido, reprimindo um riso, ou um aviso, me dizendo para não falar nada, que talvez não fosse uma boa ideia contar para eles agora.
         -O que foi, Stirling?- Pergunta Jessy com desprezo- Está engasgada com a sua vergonha de não ter conseguido desenvolver uma habilidade dessas?
         Elas se encaram de forma mortal por alguns segundos, até que Jessy se levanta e vai para o banheiro.
         Horas depois chegamos à Rússia, desejei ter levado mais casacos, foi uma péssima forma de descobrir que o inverno Russo é o mais rigoroso de todos, estávamos no começo de dezembro e o inverno estava ao seu máximo.
         Mas o pior foi com toda certeza a presença que nos esperava no aeroporto, vestido com um casaco longo de lã marrom avermelhado, com luvas negras e os cabelos cor de areia penteados.
         -Sejam bem vindos à São Petersburgo!- Diz ele com os braços estendidos.
         Essas semanas sem Hannibal haviam sido tão agradáveis, eu mal olho para ele, apenas agradeço baixinho quando ele se oferece para por minha bagagem no porta-malas de uma limusine negra.
         Todos entram na limusine em silêncio, Hannibal dirige calmamente pela cidade, admito que fiquei admirada, muitos professores de História acabam fazendo a caveira desse país por causa das guerras e revoltas.
         Os prédios são baixos e bem separados, em um bairro, muitos ficam perto de um rio, como em Veneza, a cidade é muito bela e organizada, mas passa em um piscar dos olhos, o hotel em que vamos ficar é bem perto do aeroporto.
         A recepção do hotel deixa claro que é de primeira classe, com lustres de cristais, mobílias elaboradas e papeis de parede vermelhos e douradas, pessoas com pesadas peles desfilavam pelo saguão de entrada.
         Somos levados diretamente para um elevador junto com nossas malas, eu faço questão de ficar no lado oposto ao de Hannibal, com Lindsey perto de mim, seguimos até o 56º andar, que dá para um corredor longo cheio de portas, Hannibal nos leva até um dos quartos e com um cartão abre a porta.
         O quarto é simplesmente incrível, com três ambientes sem separação, o da esquerda é tem uma cama de casal imensa e uma porta dupla de vidro que leva à uma sacada, o ambiente do centro é por onde se entra, com uma porta que eleva ao banheiro e uma pequena (E sofisticada) cozinha, com equipamentos dignos de um chefe de cozinha famoso.
         O terceiro é uma sala agradável, com três sofás aconchegantes virados para uma televisão de tela plana que podia deixar um cinema no chinelo.
         Todos, exceto Hannibal, estão muito apreensivos, Joe pega a mão de Jessy, ela olha para ele e agradece com um sorriso (Que vontade de saber dar uma voadora...)
         Lindsey finalmente se mexe, indo até os armários da cozinha, remexendo e então levanta triunfante uma caixa de cereal sabor abacate e mel, eu não pude deixar de rir, me junto à ela.
         Jessy revira os olhos como se fossemos retardadas, Joe e Hannibal dão pequenos risinhos, entrando na brincadeira (Um pouco).
         Hannibal sussurra algo no ouvido de Joe e entrega para ele um envelope laranja enorme, depois sai sem se despedir, o que pra mim não fez diferença, Joe pega sua mala e senta na cama.
         -O que é aquilo?- Pergunto baixinho para Lindsey.
         -O Envelope?- Reponde ela com um floco no queixo- É a missão, tudo o que precisamos saber sobre ela está lá.
         -Então Hannibal não vai fazer parte disso.- Suspiro aliviada- Mas por que será que ele está aqui?
         Ela dá os ombros e ataca novamente o cereal, Jessy começa a andar de um lado para o outro, inquieta, Joe fica olhando o conteúdo do envelope esparramado na cama.
         -Quem era aquele com a Kirstie outro dia?-Pergunto tentando aliviar a tensão.
         -O Avi?Avi Kaplan?- Lindsey pergunta de boa cheia- Eles eram amigos grudados, até que ele saiu em uma missão, bem na época em que você chegou, então ela ficou meio agressiva...
         -Ela até se ofereceu para ser o seu desafio na sua iniciação.- Jessy aparece do nosso lado, parece que cansou de fica andando.
         -Mas quando ele voltou,- Continua Lindsey- Ele pediu ela em namoro, você já viu o resto, mas não pense que ela vai ficar mais boazinha, Ali é gente boa, mas não é capaz de segurar Kistie.
         -Como você consegue comer isso, Stirling?- Pergunta Jessy com uma cara de nojo para o cereal de abacate.
         -Com a boca, Scrham.- Lindsey pega a tigela e vai se sentar na sala.
         Alguns segundos tensos se passam entre mim e Jessy, eu finjo não perceber seu olhar pesado em mim, mas por sorte, bem na hora em que ela ia falar algo Joe vem até nós.
         -Espero que estejam animadas, meninas. Porque nossa missão vai começar agora.
    

2 comentários:

  1. Wow, cada vez mais emocionante
    continuaaaaaaaaaa
    bjus...

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir