segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Chapter Three - Dream


Terceiro Capítulo da Segunda Temporada

          Já se passara um mês desde a conversa de Joe com seu agente e o presidente da gravadora. Ele estava exausto e um tanto estressado pelo tanto de trabalho que tinha. Seu agente marcara shows por toda a Califórnia, que fazia Joe ter que viajar bastante. E isto resultava em mais discussões com Demi.
          Ela também estava estressada, mas com os preparativos da festa de aniversário de seu filho, que ocorreria dali a três semanas. Ela queria que tudo ocorresse perfeitamente na primeira festa do bebê.
          Joe estava chegando de uma viagem. Ele havia feito um show em uma cidade um pouco longe de Los Angeles e só voltara onze e meia da noite. Demi havia deixado o jantar dele pronto na cozinha.
          Depois de comer e arrumar o que tinha sujado na cozinha, ele foi para o quarto, escovou os dentes, se trocou e deitou-se. Precisava urgentemente de uma massagem, mas não poderia pedir isso para Demi. Droga de briga, pensou ele.
          Virando-se para ela, ele a observou. O lençol que antes a cobria agora estava na altura de sua coxa. Estava escuro no quarto, mas ele a via muito bem. A camisola rosa que ela usava havia levantado à altura de sua cintura, deixando exposta a parte de baixo de sua lingerie azul.
          Deus, com ele estava tentado a acariciá-la. Queria sentir a maciez dos cabelos sedosos. Queria segurar seu rosto delicado entre as mãos. Queria beijá-la, sentir seus lábios macios nos dele, sentir suas línguas dançando juntas, em perfeita sincronia. E queria fazer amor com ela. Oh, como queria. Sentia tanta falta de cobrir o frágil corpo dela com o dele enquanto se uniam em um só.
          Tudo um simples desejo que estava longe de se realizar.
          Com cuidado, ele baixou a camisola dela e a cobriu até a cintura. Ignorou o desejo de trazê-la para mais perto, mas o desejo de beijá-la não foi contido. Colou seus lábios nos dela num simples beijo, mas que significou tudo para ele.
(...)
2 semanas depois.
Demi: Sim, este salão mesmo. _ ela falava ao telefone com a organizadora da festa de seu filho _ Já encomendou a decoração?... Ótimo. Quero a decoração já montada de manhã, horas antes da festa começar. Não quero que a montagem atrapalhe na arrumação das mesas. _ dizia enquanto terminava de se arrumar para ir a gravadora _ Deixe já pronto à encomenda do bolo também. Okay? Tchau. _ desligou _ Vamos meu bebê? _ disse a Nathan que estava sentado em sua cama _
          O pequeno sorriu para Demi e estendeu os bracinhos para ela, que segurou prontamente. Desceu as escadas e chegou à sala de estar bem quando Joe estava chegando de mais uma viagem.
          Eles se olharam e Joe deu um sorriso vendo o filho sorrindo para ele e pedindo para ser pego pelo pai. Ele foi até Demi e, sorrindo, pegou o pequeno no colo.
Joe: Oi. _ disse a ela _
Demi: Oi. _ disse sussurrando de volta _
Joe: Está bem?
Demi: Sim, e você?
Joe: Estou bem sim. E Nate, como está?
Demi: Ótimo.
Joe: Bom.
         Então o assunto acabou. Não sabiam mais falar de algo que não fosse seu filho.
Demi: Ér... Eu estava indo para a gravadora. Ia deixar Nate na creche.
Joe: Pode deixar que eu cuido dele.
Demi: Você deve estar cansado e... _ fora interrompida _
Joe: Demi, eu posso cuidar do nosso filho. Darei conta de cuidar dele até você chegar, não se preocupe.
Demi: _ suspirou _ Está bem. Aqui na bolsa eu deixei algumas mamadeiras prontas com o meu leite. É só esquentá-las quando ele estiver com fome, e pode dar essa papinha aqui também. E não pode esquecer de trocar a fralda dele e...
Joe: Calma, eu sei cuidar dele.
Demi: Está bem. _ disse ainda meio insegura _ Tchau bebê. _ falou para o filho e lhe deu um beijinho na bochecha _ Tchau. _ disse a Joe que sussurrou um “tchau” de volta, mas ela não ouvira. Já havia saído ela porta _
Joe: _ suspirou e se sentou no sofá como filho no colo _ E aí pequeno? Como está? Feliz, não é? Sua festa está chegando e sei que você vai adorá-la. Mas... Como está a mamãe? Para mim ela parece diferente, um pouco mais fria... Mas também né, o papai foi um idiota com ela. A culpa foi minha por deixar ser influenciado pelo meu a gente e pelo presidente da gravadora. Com este sobrecarregamento de trabalho é claro que íamos brigar mais ainda. Mas você tem sorte, não é? _ acariciou a cabeça do filho, que brincava com o botão de sua blusa _ Ela não briga com você, e é paparicado todo o dia. Já o papai aqui não ta recebendo nem um beijinho... Mas eu quero, quero muito. _ riu um pouco _ Sabe, eu estive pensando... Vou tentar me reconciliar com ela. _ sorriu _ Será na sua festa, tudo bem? Não tirarei seu brilho, claro. Seremos só nós dois. O que acha? _ o pequeno sorriu _ Sabia que iria gostar.
          Depois de ficar conversando mais um tempo com Nate, ele subiu com o filho em direção ao quarto. Tirou os sapatos e deitou com ele na cama, dormindo os dois logo depois.
(...)
          Demi ficara apreensiva durante todo o tempo no trabalho. Sabia que Joe seria capaz de cuidar do filho deles, mas mesmo assim...
Lenna (agente): Demi? Demi, ta me ouvindo?
Demi: Ahñ? Quê?
Lenna: Você está me ouvindo Demi?
Demi: Claro.
Lenna:É? Então repete o que eu disse.
Demi: Ér... Você disse que... Que...
Lenna: Demi, o que ta havendo com você? Não presta atenção em mim e não e de hoje. Há semanas você está assim.
Demi: Desculpa Lenna. São só uns problemas em casa. Não se preocupe, eu... _ se autointerrompeu _
Lenna: Não pode deixar que os assuntos de casa atrapalhem seu trabalho, Demi.
Demi: Sim, mas também não posso deixar que o trabalho atrapalhe os assunto de casa.
Lenna: Faça assim: vá pra casa hoje e resolva o que tem que resolver. Amanhã venha aqui e não se distraia com nada.
          De apenas assentiu e sai do escritório, rumo a sua casa. Chegando lá fora direto a cozinha, pois tina sentido um cheiro de comida, e encontrou Joe cozinhando.
Demi: Eu iria fazer o jantar assim que chegasse. _ disse quando ele havia notado sua presença ali _
Joe: Não precisa se preocupar. Eu vou preparar o jantar hoje.
Demi: Tudo bem.
(...)
         Depois do jantar os três foram para cama. Estava tarde e estavam cansados, mas Demi ainda queria fazer uma coisa...
Demi: Joe... _ sussurrou e chacoalhou um pouco o marido _ Joe...
Joe: Hum? O que foi? _ perguntou ainda sonolento _
Demi: Eu quero você.
Joe: O que?
          Com aquelas simples palavras o sono de Joe desapareceu, deixando apenas a confusão. O que Demi estava dizendo? Como assim ela o queria? Essas e mais perguntas rondavam na cabeça dele, todas querendo uma resposta.
Demi: Eu sei que estamos brigados, mas não poderíamos fazer uma trégua? Só hoje? _ pediu _ Eu não aguento mais ficar longe de você. Preciso te tocar e preciso que me toque.
          Sem falar mais nada, Joe a puxou para cima de si e a beijou com fogo, deixando transparecer a saudade que tivera em beijá-la todo esse tempo.
          Ele segurava a cintura dela possessivamente, não como uma forma de carinho, mas como uma forma de mantê-la ali. De uma forma que dizia que ele não a soltaria até que ambos estivessem satisfeitos. Algo que seria difícil, pois os dois nunca ficavam satisfeitos quando o assunto era esse. Sempre queriam mais.
          Delicadamente e ao mesmo tempo desesperado, Joe levantava a camisola dela. Demi sentou-se apenas para tirar a peça e logo voltou a se deitar sobre Joe, beijando-o e acariciando os braços musculosos e o peito descoberto.
          Sentira falta de seu marido e aproveitaria ao máximo este momento, pois sabia que amanhã, quando os primeiros raios de sol batessem no quarto, tudo voltaria ao normal. Estariam ainda desentendidos.
          O desespero de Joe fazia Demi soltar baixos gemidos quando ele a apalpava em suas regiões sensíveis do corpo. Mas não o fazia parar, só o incentivava mais ainda. E, assim como ele, acariciava-lhe as regiões mais sensíveis. Fazia-o gemer seu nome como ele sempre a fez fazer.
          Virando-a rapidamente e ficando e por cima, encheu-lhe o pescoço de beijos. Retirou rapidamente suas próprias roupas, ficando nu, e levou as mãos até as costas dela, procurando o feixe do sutiã. Rapidamente ele a livrou da peça e seguiu os beijos para os seios fartos.
          Demi arfava e inclinava a cabeça conforme ele sugava seus seios. Descendo a mão ele se livrou da calcinha dela e abriu suas pernas, posicionando-se sobre ela.
          Eles estavam ardendo em desejo. Necessitando esse contato corporal. Por uma primeira vez estavam fazendo isso mais pelo desejo do que por seus sentimentos. Iria acontecer, mas...
          Joe acordou assustado. Olhou em volta e viu que estava em sua cama, em seu quarto. Olhou para o outro lado da cama e viu Demi dormindo serenamente. Foi um sonho, droga! Ele pensava enquanto passava a mão pelos cabelos.
          Levantou-se da cama e fora para a cozinha no andar de baixo. Pegou um copo d’água e sentou-se em uma banqueta, enquanto refletia sobre o sonho. Deus, como queria que tivesse sido realidade. Conseguia ainda sentir as partes em que ela tocara no sonho formigando, como se tivesse realmente o tocado.
          Frustrado, ele voltou ao quarto onde se deitou e tentou dormir novamente. E se mais sonhos como este tentassem-no durante a noite?
    

3 comentários:

  1. OWNNNNNN QUE DÓ DO Joe! Num pode fazer isso com o pobrezinho naum... LInda a segunda temporada continue assim e poste bem rapidinho

    ResponderExcluir
  2. PERFEEEEEEEEEEEEITO ♥
    posta logo !!!

    ResponderExcluir